O CLAMOR DE UM NECESSITADO

16/06/2010 22:32

Gostariamos de sugerir (para uma melhor compreensão do texto), a leitura das passagens paralelas do texto de (Lucas Mt 20.29; Mc 10.46). Quantos cegos estavam presentes neste episódio, em Jericó? Será que temos aí uma contradição bíblica?

Na verdade, o que existe nestes textos correlatos não é uma contradição, mas sim uma informação complementar. A idéia que os textos nos passam é que havia mais de um cego, porém, Bartimeu protagonizou o diálogo e recebeu conseqüentemente a cura do Cristo.

O que você considera como cegueira? A falta de um nervo ótico sadio, ou em um sentido mais amplo, a incapacidade de ver? Essa pergunta se torna pertinente, pois dependendo da resposta, o número de cegos muda consideravelmente. Afirmamos isto nos valendo do dito popular: “o pior cego é aquele que não quer ver”.

Bartimeu é qualificado, obviamente, dentro da primeira classe de cegueira (a física), porém, se levarmos em consideração a capacidade de “enxergar”, aquelas coisas que estão para além da capacidade física, coisas que só podem ser visualizadas com a alma, então Bartimeu estaria mais próximo de outro dito da sabedoria popular: “quem tem olho em terra de cego, é rei”, ao qual nós talvez acrescentariamos que, se não é rei, ao menos se torna filho do Rei. 

 

O texto declara que “ele estava assentado junto do caminho, mendigando” (v. 35), o que dentro da realidade sócio-cultural da época nos leva a concluir que, sua condição era de alguém marginalizado, excluído, e para o pensamento religioso judaico, era um “amaldiçoado” por Deus (Jo 9.2). Mas mesmo estando à beira do caminho, abandonado por tudo e por todos, quiçá até por Deus (segundo o pensamento da época), seu desejo de encontrar um caminho para a vida era tão intenso, que o Caminho o encontrou, para mudar a sua vida definitivamente (Jo 14.6).

Suas palavras ao se aproximar de Jesus revelam que, apesar de ser cego, enxergou com nitidez a obra de arte que Deus pintou em Cristo, percepção de quem foi adestrado pela vida, e que mesmo em trevas, estava aberto para a visitação da “Luz do Mundo” (Jo 8.12).

Ele disse: “Filho de Davi, tem compaixão de mim”. Com esta frase, ele expressou algumas verdades latentes na sua alma, como por exemplo, o reconhecimento que Jesus era o Messias que viria da linhagem de Davi, coisa que muitos fariseus não conseguiram crer apesar de verem os sinais que por Jesus eram realizados e o conteúdo de suas palavras que expressavam o “espírito” da Lei.
 
Outro fato que percebemos em sua declaração, é a perspectiva pela qual ele se aproximou de Jesus, sem negociações a fazer, sem mascarar os seus interesses, sem esconder as suas limitações, apenas clamando por compaixão, que é o sentimento que viabiliza todas as bênçãos de Deus para a humanidade.
 
O dicionário define compaixão como sendo “pesar que a desgraça ou a dor de outro despertam em alguém”, o que nos remete a um raciocínio muito simples: se este sentimento ainda habita nos corações dos homens (ainda que cada vez mais raro!), o que dizer de um Deus que é Pai, e um Pai que é Amor, ao ouvir um filho seu clamar por compaixão (Lc 11.11-13; I Jo 4.16)?

E por último, Jesus condiciona o milagre à autenticidade da fé de Bartimeu (v. 40), pois quando a fé não é apenas uma arma da mente ou produto de uma confissão vazia de significados, mas sim a afirmação do que está no coração, então imediatamente os nossos olhos se abrem (v.42).

Até esta altura o povo estava atrás de Jesus (mas não o seguia), ouvindo seus ensinamentos (mas não guardando suas palavras), olhando na direção de Jesus (mas sem vislumbrar a presença de Deus). Mas diz o versículo 43: “e todo o povo vendo isso, dava louvores a Deus”.
 
CONCLUSÃO

Bartimeu era cego, cheio de limitações vivendo a margem da sociedade, sentia-se o pior, humilhado, rejeitado, era portador de uma deficiência física, mas pior do que a enfermidade física, eram as limitações que sofria em seu interior, sua alma estava abatida esmorecida, ferida pois vinha sofrendo várias afrontas.

O fato de ser um miserável, cego e pobre não o impediu de despojar-se do orgulho levando-o assim a se humilhar perante o Senhor Jesus.

 
Ele necessitava de uma cura física e sabia no seu intimo que ao ser curado fisicamente, estaria também sendo liberto de sentimentos que enfraqueciam e abatiam sua alma.

Por mais que as pessoas o mandassem calar, mais ele clamava pelo Senhor, ele necessitava ser socorrido sabia que para ser visto e atendido necessitava clamar e pedir socorro.

Não olhando para as suas limitações, Bartimeu continuou com o firme propósito de clamar ao Senhor, não atentando para os sentimentos de dureza de coração dos opositores, egoísmo, resistência, soberba, orgulho, e perseguição.

 
Bartimeu humilhou-se, pois a única forma de chamar a atenção do Mestre era gritando: Jesus Filho de Davi... têm compaixão de mim.

E nós quantas vezes temos nos humilhado perante ao Senhor e clamado deixando de lado todos os preconceitos e amarras que nos prendem? Pense nisso!

O milagre na vida de Bartimeu ocasionou outro milagre em Jericó:

“A cura do mendigo sem-vista, serviu para curar um povo sem-visão”.

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!